Textos Pedagógicos

Educação com base em valores

José Pacheco

04/06/2019

Entre os dias 24 e 26 de maio, um educador português teve oportunidade de participar na Global Education Conference, que decorreu no sul da Índia. Coube-lhe a difícil missão de representar o Brasil e a América do Sul. Missão difícil, por ser estrangeiro e a educação do Brasil não ser para amadores…

Projetos de uma Educação com Base em Valores – era esse o tema central do congresso – foram apresentados por países como: Estados Unidos, Israel, Laos, Austrália, Índia, Malásia, Costa Rica, Tailândia, Reino Unido… e Brasil. O projeto apresentado pelo representante de Cingapura foi reflexo do excelente desempenho dessa ilha-Estado do Sudeste asiático no PISA. Cingapura ocupa o primeiro lugar nas três disciplinas avaliadas pelo PISA: Ciências, Matemática e Leitura. E outros projetos de idêntica valia foram dados a conhecer.

O propósito de uma educação com base em valores é formar o caráter, isto é, a unidade entre pensamento, palavra e ação. Foi o que Freire repetiu à exaustão, apelando a que a intenção e o gesto do educador fossem coerentes. Inspirados na obra desse mestre, em meados da década de 1970, numa pequena escola do norte de Portugal, professores (freirianos, graças a Deus!) definiram uma matriz axiológica e decidiram instituir práticas coerentes entre pensamento, palavra e ação.

Esses educadores desenvolveram uma práxis fundada no paradigma da aprendizagem. Num tempo em que o “protagonismo juvenil” ainda não fazia parte do discurso pedagógico, concretizaram, na prática, valores como a autonomia moral e intelectual do aluno. Esse projeto foi referência e inspiração de outros projetos.

Trinta anos decorridos, o iniciador desse projeto viajou pelo mundo, conheceu centenas de projetos, visitou milhares de escolas. Até que o Brasil lhe mostrou o quanto estava equivocado. Aprendeu que aprendizagem, para além de ser significativa, não está centrada no professor, nem no aluno, porque ninguém aprende sozinho. No Brasil, aprendeu que a aprendizagem está centrada na relação.

Em regiões de extrema pobreza e violência, identificou novos valores e encontrou caminhos de transição para o paradigma da comunicação. Aprendeu que escolas não são edifícios, que as escolas são pessoas e que as pessoas são os seus valores. Quando esses valores são transformados em princípios de ação, dão origem a projetos. E, porque os projetos humanos são coletivos, o estabelecimento de vínculos amorosos viabiliza e consolida o trabalho em equipe.

Hoje, esse educador colabora com escolas, que desenvolvem uma educação com base numa nova matriz axiológica. A viagem à Índia permitiu-lhe perceber que, apesar de ocupar os últimos lugares do ranking mundial de educação em ciências, leitura e matemática, o Brasil é o berço de uma nova educação.

Os projetos apresentados no congresso tinham por referência valores caraterísticos do modelo educacional da primeira revolução industrial: individualismo, competição, egoismo, exacerbada auto-estima. O projeto representante do Brasil refletia cooperação, empatia, reconhecimento do outro, solidariedade.

E o representante do Brasil se interroga: por que vão os brasileiros visitar projetos dos Estados Unidos e do Japão? Por que copiam projetos da Finlândia? Talvez porque não saibam que há muitas finlândias dentro do Brasil. Finlândias humanizadas…